Ar-condicionado: tudo o que você precisa saber sobre o assunto | Triider

Que modelo escolher? Qual é a capacidade ideal? Como deve ser feita a limpeza e a manutenção do aparelho? Quando o assunto é ar-condicionado, essas perguntas são clássicas. E quanto à instalação? Você sabe como instalar um ar condicionado?

Há tantas dúvidas por trás da instalação desse aparelho que até mesmo o simples ato de comprá-lo torna-se um desafio, principalmente para quem vive um dia a dia corrido e não tem muito tempo para cuidar da casa.

Mas não precisa se desesperar! Com um pouquinho de atenção e com o auxílio de um profissional especializado vai ser moleza instalar o ar-condicionado de forma correta e segura.

Para ajudá-lo nessa tarefa, preparamos este post — que é um guia completo do ar-condicionado. Além do passo a passo da instalação, aqui você vai encontrar tudo o que precisa saber sobre modelos, limpeza e manutenção da peça. Acompanhe a leitura e prepare o seu lar para os dias mais quentes do ano!

Modelos de ar-condicionado

Sabemos que existem diversas opções de aparelhos disponíveis no mercado especializado, mas como descobrir qual modelo é o ideal para a sua residência? A seguir, listamos as características e funcionalidades dos principais modelos para que você possa escolher o que melhor se adapta às suas necessidades. Confira!

Ar-condicionado portátil

Esse tipo de ar-condicionado é ideal para ambientes pequenos. A grande vantagem desse modelo é a sua portabilidade, como o próprio nome indica. Ou seja, você poderá transportá-lo facilmente de um cômodo para outro na casa, o que gera muito mais conforto e comodidade ao usuário.

Ar-condicionado Split

Sem dúvidas, o modelo Split é o queridinho quando falamos em ar condicionado. Isso porque esse tipo de aparelho combina praticidade e eficiência em doses certas, sendo recomendado tanto para ambientes pequenos quanto para lugares maiores. Tudo vai depender da capacidade do modelo.

O tipo de Split mais comum é o chamado Split Hi Wall, que é instalado na parede. Além dele, existem outros modelos de Split que poderão ser mais indicados conforme a sua necessidade. São eles:

  • multi Split, que permite duas evaporadoras com apenas uma condensadora. O modelo é indicado para refrigerar mais de um ambiente ao mesmo tempo;
  • Split cassete, que possui até 4 vias para a saída de ar, podendo ser instalado no teto ou no forro da residência;
  • Split piso-teto que, como o próprio nome sugere, pode ser instalado no piso ou no teto, sendo indicado para ambientes médios ou grandes, residenciais ou comerciais;
  • Split canto-teto, que possui sua unidade interna (evaporadora) instalada no teto — mais precisamente no vão entre duas paredes.
  • Aqui, você tem mais informações sobre a instalação de ar-condicionado split.

Ar-condicionado de inverter

Os aparelhos de ar-condicionado de inverter são ótimas alternativas porque aliam economia, durabilidade e praticidade. Por não ligar e desligar, como os equipamentos convencionais, ele gera menos desgaste no motor e, consequentemente, menos ruídos e menos gasto de energia elétrica.

Isso acontece porque a tecnologia de inversão faz com que o compressor do ar-condicionado nunca precise ser desligado, apenas invertendo a frequência controladora da velocidade de compressão do ar. Dessa forma não ocorrem os picos de voltagem típicos do religamento.

Ar-condicionado de janela

Esse modelo de ar-condicionado é mais compacto, com as unidades condensadora e evaporadora acopladas ao mesmo gabinete. Por esse motivo, ele é indicado apenas para ambientes de pequenas proporções, sendo instalado nos espaços (buracos) já existentes nas paredes de casas e apartamentos.

Ar-condicionado dutado

Também chamado de ar-condicionado central, o modelo dutado combina a implantação de dutos no teto e um pequeno rebaixamento no gesso ou forro para a instalação do aparelho. A condensadora, por sua vez, é instalada em um local aberto com circulação de ar, assim como o Split.

Os modelos dutados geralmente são recomendados para locais de grande porte (consultórios, shoppings, cinemas etc.), de extensa carga térmica e com necessidade de climatização de vários ambientes ao mesmo tempo. Entretanto, esse tipo de ar-condicionado tem se tornado uma alternativa viável também para apartamentos de alto padrão.

Capacidade do ar-condicionado

A potência ou capacidade de refrigeração do ar-condicionado é medida em BTU — sigla para Unidade Térmica Britânica. Para você ter uma ideia de como essa medida é calculada, considere que 1 BTU representa a quantidade de frio necessária para reduzir em 0,56°C a temperatura da água.

Essa medida interfere, por exemplo, no momento de dimensionar o tamanho do espaço onde o ar-condicionado será instalado, considerando a densidade e o peso da água. É por isso que, nos cômodos menores da casa, os aparelhos de menor capacidade conseguem dar conta do recado.

Além disso, outros fatores também podem interferir na capacidade de operação do aparelho, como a incidência solar no cômodo e a quantidade de pessoas e de aparelhos eletrônicos no local.

Para você ter uma noção mais exata sobre a capacidade ideal do ar-condicionado para as necessidades da sua residência, considere as seguintes indicações:

  • para uma área de 9 m² é preciso um ar-condicionado de 7.500 BTUs (sol da manhã) ou 9.000 BTUs (sol o dia todo);
  • para uma área de 12 m² é preciso um ar-condicionado de 9.500 BTUs (sol da manhã) ou 10.000 BTUs (sol o dia todo);
  • para uma área de 20 m² é preciso um ar-condicionado de 10.000 BTUs (sol da manhã) ou 12.000 BTUs (sol o dia todo);
  • para uma área de 25 m² é preciso um ar-condicionado de 12.000 BTUs (sol da manhã) ou 16.000 BTUs (sol o dia todo);
  • para uma área de 30 m² é preciso um ar-condicionado de 16.000 BTUs (sol da manhã) ou 18.000 BTUs (sol o dia todo);
  • para uma área de 40 m² é preciso um ar-condicionado de 18.000 BTUs (sol da manhã) ou 21.000 BTUs (sol o dia todo);
  • para uma área de 50 m² é preciso um ar-condicionado de 21.000 BTUs (sol da manhã) ou 30.000 BTUs (sol o dia todo);
  • para uma área de 60 m² é preciso um ar-condicionado de 22.000 BTUs (sol da manhã) ou 30.000 BTUs (sol o dia todo);
  • para uma área de 70 m² é preciso um ar-condicionado de 30.000 BTUs (sol da manhã) ou 30.000 BTUs (sol o dia todo).

Instalação de ar-condicionado

Como dissemos, analisar o local onde o aparelho será instalado faz toda a diferença para garantir o melhor aproveitamento e a eficiência do ar condicionado. Além dessa questão, outros fatores são fundamentais para uma instalação adequada. Listamos 5 aspectos que você precisa considerar. Confira:

Substâncias perigosas

Via de regra, há restrições comuns quanto à instalação de um ar-condicionado, assim como para qualquer outro aparelho eletrônico. Por isso, antes de começar o processo, saiba que alguns elementos podem prejudicar o funcionamento e a segurança do aparelho. São eles:

  • gases combustíveis;
  • gás sulfuroso;
  • ar marítimo;
  • óleo de máquinas.

Caso não exista outra opção, é imprescindível consultar o fabricante e o instalador para receber orientações antes da instalação.

Profissionais capacitados

Tanto o fabricante da peça quanto o instalador são fundamentais no momento de instalar o aparelho. Afinal, mesmo que você esteja ciente das precauções, esses profissionais possuem o conhecimento técnico necessário para garantir uma instalação segura e correta, evitando acidentes ou prejuízos.

Por isso, se você não abre mão de ter uma residência confortável e em perfeito funcionamento, não hesite em contratar um profissional capacitado para instalar o ar-condicionado, assim como para lhe orientar na limpeza e na manutenção da peça.

Esses profissionais estarão devidamente atentos ao cálculo de carga térmica do ambiente, à compatibilidade entre as medidas do cômodo e do aparelho, à capacidade do ar conforme o local da instalação, entre tantas outras questões pertinentes.

Unidade interna (evaporadora)

Esse é um dos componentes básicos do ar-condicionado. Os principais cuidados que você deve tomar quanto à unidade interna (ou evaporadora) do aparelho são os seguintes:

  • o cômodo precisa ter espaço suficiente tanto para a instalação quanto para as manutenções futuras no aparelho;
  • a instalação do ar condicionado não deve interferir nas demais instalações elétricas, hidráulicas ou de gás na residência;
  • os espaços da unidade interna também precisam ser compatíveis com o cômodo escolhido;
  • a instalação não pode apresentar obstáculos à entrada ou à saída de ar do aparelho;
  • o local escolhido precisa ter fluxo de ar o suficiente para que a refrigeração alcance o ambiente como um todo;
  • a interferência eletromagnética entre ar-condicionado e controles remotos pode ser evitada mantendo-se a distância mínima de 1 metro entre os aparelhos eletrônicos e as lâmpadas fluorescentes da residência.

Unidade externa condensadora

Assim como a unidade interna, a unidade externa (ou condensadora) do ar-condicionado também requer cuidados específicos para garantir uma instalação bem sucedida. São eles:

  • não instalar na face oeste da residência;
  • não instalar em locais sujeitos à forte incidência de sol, chuva, vento e poeira;
  • não instalar próximo a fontes de calor, gases inflamáveis ou aparelhos exaustores;
  • não instalar em locais isolados ou com baixa circulação de ar, como lavanderias e banheiros;
  • não instalar em locais irregulares ou desnivelados;
  • não instalar com distância ou desnível maior do que a capacidade máxima do ar condicionado permite;
  • não exceder a inclinação máxima de 5º em relação ao plano horizontal.

Ainda quanto à unidade externa do ar-condicionado, saiba que a estrutura do local escolhido para a instalação precisa suportar o peso da evaporadora, como o reboco da parede.

Essa estrutura também deve estar preparada para lidar com as vibrações do funcionamento do aparelho, de modo a evitar a propagação de ruídos. Caso haja exposição direta da evaporadora à luz solar, será necessário proteger a unidade com um toldo ou outro meio de proteção.

Manutenção de ar-condicionado

Não há como determinar com exatidão por quanto tempo um ar-condicionado consegue funcionar em perfeito estado. No entanto, a vida útil do aparelho está diretamente relacionada aos cuidados de manutenção preventiva que você tem com ele.

Ou seja, se você costuma se preocupar com o funcionamento do ar-condicionado apenas quando ele começa a apresentar problemas como ruídos, baixo resfriamento, mau cheiro ou pinga-pinga, isso significa que a manutenção preventiva não está sendo feita corretamente.

O ideal é checar o funcionamento do ar-condicionado regularmente, antes que o aparelho comece a apresentar esses sinais. Afinal, como diz o ditado, é melhor prevenir do que remediar, certo?

Para ajudá-lo nessa tarefa, fizemos a seguir um checklist com os itens básicos que você precisa observar regularmente no aparelho. Além disso, listamos também os 4 principais aspectos que interferem na manutenção da peça. Acompanhe:

  • realizar a limpeza dos filtros de 15 em 15 dias. Durante a instalação, escolha um lugar em que seja fácil retirar o filtro para a limpeza;
  • limpar as serpentinas regularmente com uma escova macia. Caso as aletas estejam muito sujas, faça a limpeza no sentido inverso do fluxo de ar, com cuidado para não danificá-las.
  • checar a instalação elétrica do ar condicionado, verificando se o aparelho e seus dispositivos estão devidamente ligados à rede principal, sem interrupções como fusíveis queimados, chaves abertas, entre outras pendências;
  • conferir se as conexões, flanges e demais fixações do aparelho estão devidamente apertadas, evitando o aparecimento de vibrações, vazamentos e ruídos;
  • verificar o estado de conservação de todos os cabos do aparelho que estejam sujeitos a desgastes.
  • observar se há entupimento ou amassamento na mangueira do dreno do aparelho, evitando transbordamento na bandeja e, consequentemente, o vazamento pela condensadora;
  • certificar-se de que os isolamentos das peças metálicas e tubulações estão em seus devidos lugares e em boas condições.

A escolha e instalação do produto

Conforme adiantamos, um dos cuidados básicos é conferir se o modelo de ar-condicionado escolhido é adequado para as proporções e especificações do ambiente. Quanto à instalação, vimos que ela deverá ser feita por um profissional.

Contar com um profissional especializado — credenciado ao fabricante ou não — também é importante na tarefa de manutenção preventiva do aparelho. Esses profissionais sabem exatamente as especificidades de cada tipo de ar-condicionado, de modo a garantir uma manutenção eficaz e segura.

Na manutenção preventiva, eles realizaram testes para verificar se o aparelho está operando de maneira adequada, checando a existência de eventuais falhas, peças soltas ou quaisquer outras pendências que possam comprometer o funcionamento ideal da peça.

Além disso, a manutenção preventiva do aparelho apresenta um excelente custo-benefício, pois identifica eventuais falhas antes do problema se agravar, impedindo que você tenha gastos exorbitantes com o conserto depois.

O manual do usuário

A gente sabe que ler o manual dos aparelhos eletroeletrônicos não é uma prática muito comum. No entanto, mesmo que essa tarefa exija paciência e atenção, é essencial dedicar um tempo a ela.

Assim, conhecendo todas as especificações e instruções em relação ao funcionamento do ar-condicionado, será muito mais fácil evitar o mau uso do aparelho, prolongando a vida útil da peça.

A proteção da unidade externa

A unidade externa (evaporadora) do ar-condicionado é originalmente projetada para suportar as intempéries e variações climáticas a que está sujeita. Mesmo assim, com o passar do tempo a estrutura pode sofrer alguns danos, como a corrosão decorrente da poluição urbana ou da maresia em áreas litorâneas. Por isso, considere proteger a evaporadora com a orientação adequada do fabricante.

O funcionamento do ar-condicionado

Um erro muito comum em relação ao uso do aparelho é o ato de ligá-lo e se esquecer de fechar as portas e janelas do ambiente em questão. Isso prejudica a vida útil do ar-condicionado, que precisará fazer muito mais esforço para climatizar o cômodo.

Por outro lado, com portas e janelas devidamente fechadas, o ar-condicionado terá o seu melhor rendimento e, consequentemente, o menor gasto energético, contribuindo para a economia na conta de energia elétrica ao fim do mês.

A limpeza de ar-condicionado

Limpeza e manutenção andam lado a lado quando falamos em ar-condicionado. Isso porque o simples ato de limpá-lo regularmente possibilita que ele funcione melhor, evitando problemas que acabam estragando o aparelho.

Para você compreender por que a limpeza é tão importante, saiba que o acúmulo de poeira no ar-condicionado é capaz de obstruir a circulação do ar, o que resulta em redução do fluxo e perda de capacidade do aparelho.

Mas atenção: esse tipo de limpeza é criteriosa e também exige cuidados específicos, como nunca utilizar solventes ou álcool para limpar as partes plásticas do ar-condicionado. Para limpar os gabinetes, basta utilizar um pano macio embebido em água e sabão neutro.

Já o condensador poderá ser facilmente limpo com uma escova de pelos macia ou até mesmo com o auxílio de um aspirador de pó, caso o aparelho esteja muito empoeirado. E lembre-se: por medidas de segurança, antes de começar a limpeza ou os demais serviços de manutenção no ar condicionado, é preciso desligá-lo da tomada.

Recomenda-se fazer essa limpeza básica a cada 15 dias ou no intervalo de um mês. No entanto, caso seja necessário fazer uma limpeza mais profunda, é bastante viável contratar um especialista em ar-condicionado para realizar o procedimento.

Além de contribuir para a durabilidade e eficiência do item, a limpeza profissional ajuda a combater a proliferação de fungos, vírus e bactérias no aparelho.

Vantagens da limpeza e da manutenção corretas

Ao longo deste texto você já percebeu algumas vantagens de cuidar bem do seu ar-condicionado, mas não paramos por aí. Confira mais 4 motivos para manter a limpeza e a manutenção do aparelho sempre em dia.

Prevenção de panes no sistema

Por estar em ambientes fechados, o ar-condicionado acaba ficando exposto a um intenso acúmulo de poeira que pode bloquear filtros, turbinas e serpentinas, diminuindo a eficácia do arrefecimento. Por isso, mantê-lo sempre limpo ajuda a prevenir eventuais panes no sistema de climatização.

Prevenção da saúde

Quem é alérgico geralmente tem pavor de ar-condicionado, mas não é preciso se desesperar! Uma vez estando limpo e em bom estado, o aparelho em funcionamento não vai proliferar microrganismos prejudiciais à saúde.

Mais tempo de vida do aparelho

Independentemente de serem utilizados com frequência ou não, os aparelhos de ar-condicionado que recebem a limpeza e manutenção corretas duram muito mais do que um aparelho de primeira, mas mal cuidado.

Economia

Como dissemos, um aparelho de ar-condicionado sujo precisa fazer mais esforço para trabalhar com eficiência. Isso acontece porque, com o acúmulo da sujeira nas peças, ele acaba forçando mais o seu compressor para realizar a climatização, gerando maior consumo de energia elétrica.

Desinstalação de ar condicionado

Desinstalar um aparelho de ar-condicionado é simples: basta estar atento aos mesmos procedimentos da instalação, contando com um profissional credenciado para realizar a tarefa.

O processo inclui a limpeza interna da tubulação de cobre com fluido detergente e a execução de vácuo e carga de fluido conforme as orientações do fabricante do aparelho. Nesse processo, as tubulações utilizadas poderão ser reaproveitadas — dependendo do estado de rigidez e conservação das peças. Caso estejam mal conservadas, a troca será necessária.

O transporte do ar-condicionado também requer alguns cuidados, sobretudo com a unidade externa (condensadora). A condensadora não pode tombar, por isso, recomenda-se que a unidade seja mantida sempre de pé durante o transporte, com inclinação máxima de 30º.

Caso esse procedimento não seja cumprido, será preciso manter o aparelho desligado e de pé por cerca de 2 horas antes da reinstalação. Já a unidade evaporadora (interna) poderá ser transportada sem grandes preocupações, tomando cuidados básicos para prevenir quedas ou impactos.

Apenas lembre-se de que, após a desinstalação do equipamento, o ideal é protegê-lo com material adequado para evitar os efeitos do mau tempo ou demais condições que possam deteriorá-lo.

Além disso, recomenda-se também que as conexões do aparelho sejam lacradas com fita isolante para evitar a entrada de corpos estranhos (como insetos) nas tubulações do ar-condicionado.

Pronto! Após essa leitura você deve ter entendido como instalar um ar-condicionado aliando segurança, conforto e praticidade. No entanto, não tente fazer isso sozinho, pois os procedimentos de instalação e manutenção requerem conhecimento técnico para serem realizados.

É imprescindível contar com um profissional capacitado para realizar o serviço, pois assim você elimina qualquer risco de erro ou prejuízo. Esses profissionais saberão exatamente como executar a instalação para que o seu ar-condicionado funcione sem desgastes e com máxima eficiência.

Gostou do conteúdo? Então nos siga no Facebook e no Instagram e fique ligado nas melhores dicas para manter o seu lar sempre em ordem, com qualidade e segurança!

2 Comments

  1. Muito legal essa matéria. É uma boa pra leigos como eu que querem entender um pouco mais sobre ar-condicionado antes de comprar um.

Escreva um comentário